sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

todo mês de fevereiro

todo mês de fevereiro
mudamos de casa
perdemos o emprego
recomeçamos os grupos
entramos na escola
comemos gelatina
conhecemos Hans Jonas
sentimos saudade
passamos calor
esquecemos o portão aberto
abrimos um livro
olhamos o céu de novos ângulos
tocamos o gato com um rato na boca
compramos limão siciliano
tudo é poeirão de reforma
no mês de fevereiro
cada dia é prudência
quem sabe dormir
evitando sonhar

olhar uma revista velha
dizer bom dia
e cantar loas
no domingo seguinte
serestas urbanas


25 de fevereiro

versos estendidos aos sol
versos na maré baixa
versos descantados
versos anuviados
de roxas compleições
versos que deixei
em conchas na orla
versos que cantei
passividade 
versos vetos ventos
visões de mundo
que não pude reter
versos grãos ou pó
revolvem-se na areia
fluidicos,
francos em seu decassilabo
naufrágio
borrão

anotar em caderneta velha
dizer bom dia
e cantar loas no domingo seguinte
serestas urbanas


Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...