terça-feira, 4 de junho de 2013

“O olho vê somente o que a mente está preparada para compreender.”

*epicur

Tomei a liberdade de postar o texto, muito compatível com as ideias que venho estudando e pode ajudar a enreda-las em constructo mais consistente.

                                                    " Disse um tal Henri Bergson, pensador que ocupou sua mente com a questão da percepção do homem: “O olho somente o que a mente está preparada para compreender.” Eu acho muito importante que alguém tenha decantado este pensamento assim, a ponto de poder emiti-lo com esta clareza. Sem querer me adonar de qualquer mérito do Sr. Bergson, eu também desconfiava disso.
                                                  O olho vê se a mente puder compreender.
                                                    São momentos diferentes para um só propósito. A gente precisa ver. Mas se não pudermos compreender o fenômeno nossa mente simplesmente ignora o que atravessa os olhos. É assim.
                                                   O fenômeno existe fora de nós – fora da nossa consciência, ao menos. De repente ele atravessa um de nossos sentidos de percepção. Isto acontece em uma instância bastante adormecida de nós, que é passiva, aberta, suscetível às apresentações de fora.
                                                 O olho, ou qualquer outro de nossos sentidos é incapaz de julgamento. Não se retira do que acha feio, do que acha agressivo, nem mesmo do que ameaça a integridade do indivíduo a que serve. Pense que podemos olhar tanto para um rio borbulhante quanto para o sol sem que o olho em si mesmo conheça que o sol pode condená-lo a não ser mais útil como órgão de percepção. Olho é corpo quase morto. É quase lente de vidro, luneta. 
                                                  O olho é serviço somente e por isso é perfeito.
Mas para ver minha mente precisa de um preparo, de um tratamento prévio relativo aquele fenômeno para poder ser impactada por ele na verdade que ele traz. É necessário que se tenha sido visitado pelo fenômeno que se apresenta aos nossos sentidos em outra instância antes. Em partes espalhadas pela nossa vida: se o fenômeno é uma árvore, meu olho capta aquela massa em muitas direções multiplicada – cada vez mais fina, cada vez mais longe. Concentrada na base até uma altura e de repente plural, arejada.
                                                  E perde-se em cores das mais escuras até as mais claras neste tronco, e vai destas cores ao verde nos galhos da periferia e finalmente é folha aberta a luz – centenas, milhares! Se não sei de ‘um e muitos’, se não sei de ‘verdes e claro/escuro’, se não sei ‘tronco e folha’, se não sei de ‘luz’, daí não saberei árvore nunca!
                                               Como é que eu vou conhecer uma coisa que não sei? Como é que vou saber uma coisa se não se mostrou para mim pelo menos aos pouquinhos antes de aparecer inteira?
Ocupei-me disso durante um tempo. Claro, porque eu mesma vejo que em mim a compreensão das coisas acontece como o filósofo falou: antes compreender na mente para depois no olho. Muitas vezes ‘descobrimos’ uma planta por cima da qual caminhávamos distraidamente pela vida toda. Descobrimos, por exemplo, que ela era uma Sensitiva, e que ao mero roçar do nosso dedo ela se fecha toda. Descobrimos outra, que se perdia na multidão dos matos que cobrem o jardim da nossa casa: uma azedinha! Descobrimos seu sabor fresco e ardido. Isto é maravilhoso! Mas antes disso tivemos que conhecer ‘mato’, conhecer ‘grama’, conhecer ‘movimento’, conhecer ‘sabor’. Tudo isso aos poucos. E é assim que nosso olho vai-se abrindo para as exposições do mundo.
                                             “O olho  somente o que a mente está preparada para compreender.”
                                         A vida toda é um galgar para ver. Vamos descobrindo o mundo e quando somos capazes de ver as coisas descobrimos depois que havia mais ali. Vamos desconfiando de tudo e perdemo-nos na multiplicidade das formas exibidas. Tudo isto para depois deste mergulho intenso ter um mais alto grau de compreensão, e ver mais. Mais amplamente.
                                           Talvez Bergson também desconfiasse disso: ver é escrutinar o mundo, fuçá-lo em cada canto para poder, mais adiante, poder ver mais. Vamos trazendo as partes que já conseguimos ver como preparação para este ver maior, em busca do Ver final, que vai, tomara! nos trazer a Verdade.

Deriana Miranda

Professora há 21 anos, sendo os últimos 8 como professora Waldorf, Deriana Miranda é licenciada em Educação Artística Artes Plásticas - FAP, Licenciada e Bacharel em Letras Português/Inglês – UFPR e Especialista em Meio Ambiente, Educação e Desenvolvimento – UFPR. Cursou o Seminário de Pedagogia Waldorf - FEWB, faz o Curso Livre de Ciências Naturais e Humanas: Pesquisa e desenvolvimento da Epistemologia e Prática da Pedagogia Waldorf – FEWB, e é co-fundadora do Liceu Rudolf Steiner – empreendimento social fundamentado na Pedagogia Waldorf.
  • Calendar icon 3 de junho de 2013
  •  
  •  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...