sábado, 13 de junho de 2015

Santo Antonio, padroeiro deste blog




 * Lume&Ar

"... Ia eu dizendo, Santo António,
Que tu és o meu santo sem o ser.
Por isso o és a valer,
Que é essa a santidade boa,
A que fugiu deveras ao demónio.
És o santo das raparigas,
És o santo de Lisboa,
És o santo do povo.
Tens uma auréola de cantigas,
E então
Quanto ao teu coração —
Está sempre aberto lá o vinho novo(...)"

Encontrei, não por acaso, os versos de Fernando Pessoa...
eu recomendo irem vocês a  ler
o poema inteiro no "Lume e Ar".

Enquanto que eu,
brasileiro sem cotoco e sem tostão
Te bendigo igual, Santo volátil
Santo da justiça e do bem falar.
Santo Antonio de Lisboa,
abençoa a todos os Padre Nosso 
e pontos e pajelanças
que vou cantar
Abençoa meus músculos
que insistem em duvidar
abençoa meu coração
que está fechado, Santinho
está paralisado,
destruido,
destroçado
e nenhum vinho o irá aliviar...
Conserva o meu canto,
Pai de todas as palavras...
Assim meu coração
para de sangrar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...