segunda-feira, 10 de outubro de 2016

olhar o mar de outubro



Na visitação ao horizonte tangível, linha do olhar o mar
Envolto em fidalguias e prodigalidades
Mais uma vez o capitão afunda o rosto entre os braços, a mesa de travesseiro
Sobra-lhe tanto de viver que se vê enlevado, pondo de banda os óculos
O nariz aponta uma ilha distante ao sul do continente australiano
Limite entre viagens antigas e a fazer
Nada lhe dá mais satisfação que adernar a nau e partir, rumar
Entretém-se a relembrar sereias, pranto e bujarronas
Manobras de fuga e avanços sem fim nas tormentas
Lua e sol presentes nesse lembrar, delimitando as jornadas sem porto
Um tempo bom, outro menos, mais concursos, consórcios, contendas
Abrandado, abraça mais o rosto e dorme, o mar de acalanto  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...