Agosto eu gosto do gosto



                                  *foto de ari almeida


 2 de agosto



Ó terra, mãe gentil
Eu colho o teu laurel
Abro meu embornal
E puxo a pena de escrever-te
Vê, foi-se a valsa rimada
Qualquer tardia esperança
O fio dessa aleivosia
Deitou-se e não vai cantar
Ó terra, mãe gentil
Que vejo em meu dossel
Senão as tardanças
Árvores e réstia
Que o inverno legou
As intempéries
Os Ipês que florescem tímidos
Os boatos
Remexo meu embornal
E lá tenho broa dormida
Leite e mel
Os carros cruzando o Capanema
soam
Lábios cálidos
Da noite mal dormida
Sorriem
Largos
maleáveis
Ó terra, mãe gentil
Eu me nutro de beleza
Fotografias d’além do mar
Manuelinas cheganças
Loas a certa Inês
Uma folha do caderno em branco
Dá-me aceno
E estes esboços
Definem algo como suspiro
Ó terra, mãe gentil
Eu sinto saudades
Exilado em contratos familiares
Semente plantada em pedra
E profusão de floresta
Já nem sei se sou triste
Ou paródia
Cercanias, serranias, laredos
Solidão ou pó
Ó terra, mãe gentil
Eu colho o teu laurel
Abro meu embornal
E canto as canções de sonho
Inefável
Alado
E são
Mesmo sem a valsa rimada
Eu olho a fumaça dos autos
A tremeluzir
A junta dos meus olhos
É a cidade em tarde de sol
E os rebocos de calcário
Que escorrem dos vagões
As plagas de Valadares
Longínquas
São verdes, verdes, verdes
Eu escuto
No fundo das minhas andanças
A voz do outro
É como a lua que nasce ao meio dia
As metáforas já não me alcançam
Nem hipérboles, anacolutos
Desnudei-me
Tomo os versos e a pena
E um pingo de tinta fere tal palavra
Lavra
O mel está no fim
A tarde, avançada nos anos
Ruge autoestradas
Que descem loucas por um lado
E sobem aos trancos pelo outro
Ó terra, mãe gentil
Eu sinto saudades, já disse...

Comentários

  1. Lindo texto, Liane! Será que seria muita audácia eu tentar adaptar em uma singela canção?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas