sexta-feira, 13 de junho de 2014

Por Santo Antonio




Minha garganta congestionou, dor de amor.
Pressão arterial subiu em um Pégaso,
galopou na madrugada fria, sem roteiro.
Sem afastar-me das orações,
balancei as contas do terço sem as dizer,
eia Pégaso...
A água fluidificada fez a sua parte,
bendisse minhas palavras de sol.
Hoje é dia de Santo Antonio,
o padroeiro da minha escrita.
E eu no lombo do Pégaso, eia, eia, eia...
Louvado seja, Santinho,
pelo torrãozinho de açúcar com que me guias,
eia Pégaso, eia, eeeeeeeeeeeeeiaaaaaaaaaaaa...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...