sexta-feira, 26 de abril de 2013

cotidianos

Olha nos mergulhando num repertorio que eu nem imaginava que poderia voltar a mexer: Romance de uma caveira, O Drama de Angelica, Ai que saudade da Amelia. Quase que a sessao me sai dos trilhos, engalanada pelo spiritual... eu fiz floretes com a voz que nunca tinha feito, gritei outro tanto e temi que o monstro dos super egos exibicionistas tenha sido acordado... porem fui abracando o Paulinho da Viola, um Nelson Cavaquinho voltou a roda (Quando eu me chamar saudade) e acabei me benzendo, pedindo para ter forcas, paciencia e algum desejo nos proximos quatro anos e meio...
e voce estava la...
e ha em mim uma tal paralisia
que desejei ter tentaculos
o sorriso de Deus
mais tarde
lembrou-me da necessidade
de almejar
elevados enleios
e eu so querendo teu pelo reto e aspero...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...