terça-feira, 12 de março de 2013

Exigencias do tempo de um rio




 * google images

Querido Alberto, tenho perguntado todos os dias o que a vida quer de mim, o que e necessario aprender.
Procuro usar o ensinamento do i ching, que orienta:
A verdadeira quietude consiste em manter-se imóvel quando chega o momento de se manter imóvel, e avançar quando chega o momento de avançar. Deste modo o repouso e o movimento permanecem em harmonia com as exigências do tempo, e a vida se ilumina. O hexagrama representa o fim e o começo de todo movimento. As costas são mencionadas porque nelas se encontram todas as fibras nervosas mediadoras do movimento. Quando estes nervos dorsais são postos em repouso é como se o eu, com suas inquietudes, desaparecesse. Quando o homem alcança esta tranqüilidade interior, pode se dirigir ao mundo externo e já não verá mais nele a luta e o tumulto dos seres individuais. Tendo atingido a verdadeira paz, ele poderá, então, compreender as grandes leis do universo e agir em harmonia com elas. A ação que tem suas origens nesses níveis mais profundos não errará. 

Tenho evocado o contato do ultimo sabado Alberto, o umido das maos se encontrando. Procurado apoiar-me em teu sorriso e dessa forma, atraves deste rito simbolico de esperanca e ternura, e possivel desanuviar a mente e concentrar-me no que me sinto apta a realizar no momento. 
Ao aplicar tambem o exercicio de Santo Agostinho e rememorar, neste final de dia, se fiz algo ou deixei de fazer algo, e com isso prejudiquei meus irmaos, posso elucidar falhas no respeito a autoridade, que preciso rever ainda neste orbe. Ha nelas, falhas, um grande potencial de aprendizado. Lembro-me de um post de 2012, em que pretendi esbocar uma ideia sobre a relacao entre o trabalho do vendedor e o trabalho em arte. E entendo que e uma questao de escolha, entrar no ritmo das Instituicoes e respeitar-lhes as leis, os prazos e metodologia, ou caminhar a margem. Nao, nao tive a intensao de ser negligente ao esquecer. Pode ser, e voce Alberto, me ajudaria nesse esclarecimento, pode ser autosabotagem, desrespeito a minha propria autoridade. Meu coracao se aquietou apos saber que nada poderia ser feito, e deseja sinceramente que se cumpram as leis, que alguem possa cantar bonito, para divertir, para ensinar, curar, na vaga que se abriu com meu esquecimento. Vou torcer por este trabalho, pela voz que dali soar.
Nao vou me colocar de costas ao recurso, vou procurar cerca-lo de outra forma, com outros irmaos, em futuro breve. Juntamo-nos, e nao entendo ainda a razao. Algo como ter encontrado resquicios de consanguinidade. Reconheco na nova parceria lacos de parentesco, algo como cumprir demandas, sejam elas dividas ou reencontros fraternos. Ou aprender o desapego. Deixo de conhecer e conviver com novos irmaos ao perder o prazo. A proposito, na nova parceria deixei tambem os prazos fluirem. E nao gostaria que isso se tornasse debito. Ofereco a todas as parcerias, as em andamento e as que nao se concretizaram o meu amor. O meu trabalho voluntario. 
Divino Mestre Jesus, de guarida a feiticeira, que padece de paralisia facial. Que lhe seja permitida franca recuperacao. Que possa recobrar seu belo sorriso. Que possa ter seu coracao aquietado. Que sua mediunidade possa se desenvolver a contento. Que tambem ela possa entender o que a vida lhe pede neste momento, qual o ensinamento a ser tirado da situacao de risco.
Abencoe meu novo mestre, tao correto em seu proceder comigo.
Abencoe as pessoas que cantam e cantarao comigo nos proximos dias. Que possamos fazer um belo trabalho de servir cantando.
Abencoe tambem a meu pai, madrastas, irmaos e sobrinhos consanguineos. Que tenham paz e bem. 
*Alberto Almeida, sua mao, seu sorriso e Raul Teixeira e seu silencio cheio de Deus, na XV Conferencia Estadual Espirita
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...