sábado, 30 de março de 2013

Escrevi ao SegundaSabado, mas pode ajudar a outras gentes

 
*google images
Boa noite, que bom encontro, apesar das dificuldades com pulso, com ginga, com verticalidade, com horizontalidade, com textura, com densidade, com equilibrio e desequilibrio, com casamento, com detalhe (as novidades sonoras), com repeticao de padroes, com afinacao Deus, com afinacao..., com apego a convencoes, conceitos, ciencias, codex, index, com diversidade de gostos, opinioes, repertorios, compreensao historico-socio-cultural. A musica e entidade poderosa, suas leis sao ao mesmo tempo severas e ternas. Ela exige disciplina e dedicacao (o exercicio da corrida de um cone a outro, querida Fabiane, o sim Senhora, nao Senhora...), fidelidade, plasticidade, movimento, leveza, peso. Nada de discussao com ela, de embates, atritos... A musica esta apta a abarcar e plasmar muitas almas, das mais variadas dimensoes e materiais. A musica e "o bicho da goiaba", nao aceita intimidades, atrevimentos, e a mais glaumourosa das energias, e amante, e voraz, e quente, e gelida, e amorosidade pura, e "tudo de bom" para quem a reconhece. E o limite entre sanidade e loucura, e o fim do fundamentalismo, e o "cala a boca" a qualquer admoestacao. Um jogo de tensoes, aproximacoes, afastamentos e relaxamentos... Se alguem lhe impoe convencoes, dali a pouco ela vem e as anula. Com seu sopro. E silencio. O Silencio de Maria, hoje exaltado por alguns cristaos... o nirvana, como querem os budistas... A musica e para ser amada, e tambem para ser odiada, porque e tempera. Ela anda, na sua versao terraquea, terrena, tomando conta de 9 gentes aqui no grupo, no caso de sermos somente nove seres ali reunidos, naquela casa das gentilezas, em que descobri o bem querer. A musica e "Metamorfose ambulante", dizia um de nossos filosofos, o Sr. Raul Seixas. E nos estamos tendo a oportunidade de expressar-nos atraves dela. Ela se dispoe, toda nua, para nos. Vibrante, volatil, gracil, inefavel. Para falarmos uns com os outros, para falarmos aos nossos botoes. Para dizermos o que as maos nao diriam, para lidar com rejeicoes, com retaliacoes, com senoes. Para transmutar po em ouro, feito pedra filosofal. Aproveitem esses momentos, meninos. Poucas vezes teremos ocasiao de proporcionarmo-nos conforto, consolo, encontro em planos cuja procedencia desconhecemos, mas adivinhamos... e a musica nos proporciona isso. E bom acordar e saber que minha motivacao para viver esta no fazer musical. Espero poder alcancar voces com este amor. Com a minha voz. Feliz Pascoa a todos.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...