sábado, 26 de janeiro de 2013

Tenho que comer o pao


*anonymous art of revolution


A gente fica procurando o que dizer.
O que pedir,
O que escrever
O que fazer.
A gente fica pedindo para não sentir
Para não doer.
Fui trazida de volta pelos medicos
por eletrochoque.
Suponho apenas
porque quereria ir embora, desistir,
tao miuda
porque se abriu meu flanco defensivo
e o virus da polio tomou conta.
"Nao ha o que perdoar
por isso mesmo e que ha
de haver mais compaixao"...
Se as contas estao certas
Eu tinha quatro meses de vida terrestre.
Nesse dia 26 de janeiro,
Tudo havia para que o meu projeto e assinatura la com Deus
fenecessem.
Novos dez talentos em minhas maos foram postos,
queria ver os medicos que me cuidaram,
as enfermeiras, atendentes. 
Cheguei aqui,cinquenta anos depois,
Todo esse tempo passou.
Voce não sabe,
Querida Fabiane,
Mas me ajudou
A achar um caminho para o meu luto.
Daqui a pouco eu me reabilito para voar.
Um beijo!!
Taue de Iao, a o dogui jan jn!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...