segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Solstício de outono

*Descobrir Portugal, Alfama


O vôo de Deus,
que nos permite nascer e morrer.
É impossível te esquecer,
dono do céu,
eu não quero te esquecer...
Dos sais oceânicos que me vazam
pela face
cresce um rompante de lava
e me acolhe
em franca hospedaria.
Ai, que eu posso te ver
nunca mais...
É hora?
Que hora?
A que horas?
Quando fevereiro chegar
se eu não for viajar...
Ai...
Um pio,
um pássaro mínimo
pousado em meu ombro,
o vôo de Deus.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...