segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Poemas de entardecer

*descobrir portugal

Passei o dia indo e vindo
entre a lucidez
e o lusco fusco...
Dei aula para uma princesa,
vi empilhamentos
e mais empilhamentos
de mercadorias
e o ceu convidava a poemas de entardecer.

So nao tive como te esquecer.
Eu nao quero te esquecer.
E para isso pago o preco
do suspense
da saudade imensa
da solidao
das horas arrastadas
e ocasionais estados de graca.

O que me torna lucida
e a presenca de Deus
marcando o ceu.
Sao Suas pegadas,
impressoes digitais,
sopros
fimbrias do Seu olhar
fiapos de Suas conversas
com as legioes de Anjos
que Lhe auxiliam os trabalhos terrestres.

O que me traz o lusco fusco
sao os graves.
Automoveis,
ventiladores,
silencios graves...
Tua presenca morena, luminosa
e grave
me invade
e derreto
a mao nos cabelos.

Eu pari esse amor,
devo embala-lo...
Nao te admires
se um dia desses
eu te enviar flores...





Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...