sábado, 15 de dezembro de 2012

O monge do arroz


 























* google images

Ontem saiu o primeiro esboço de Sorriso menino.
Ontem foi um dia especial
tórrido
apesar da chuva mansa.
Vivi em algumas horas
suspenses de delícias
mundanas delícias
humanas delícias
virtuais
estando há um metro da tentação.
E era um deus louro
nada de tentação
alguém para se beijar os pés
tamanha potência
crística.
Nem sei,
eu gostaria de ser o monge do arroz
porém me faltam ferramentas.
O que resta é trabalhar
com minhas agulhas de mulher
minhas tagarelices de mulher
minhas rendas fúteis
e páginas brancas,
que já se faz tarde nesta breve vida.
Eu ganhei mundo em 2012.
Isso é que é.
Enfileirei cinco primeiros temas.
Como se fora três meses de gestação.
Tudo faz crer quer o feto virá  saudável
e será dono de alma nobre.
E terá mãe, pai e outros familiares
para o cobrir de vida terrestre.
Obrigada, Santinho de Lisboa,
por me ouvir as preces.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...