terça-feira, 6 de novembro de 2012

Um sonho no beiral da porta


com passo largo e seguro
o salto marca o pulso nos degraus
dois, depois dois, depois um
estaca
suspira
um olor de Dolce Vita
penetra as frestas antigas
a pequena mala
com duas trocas
ela a põe sobre o assoalho antigo
retira o lenço de seda
de sobre os cabelos
úmidos de orvalho
de novo suspira
e hora de invadir Lisboa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...