quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Santa Cecilia


Para o objeto de amor, que como eu, busca o sublime em musica!! E o que me da o senso de continuidade. Que, se eu deixar, as contingencias da vida podem  amargar-me e desviar-me do caminho do meio. Pela graca divina, tive a chance de cantar esse Hino uma vez, sob a batuta da volatil Mara Campos. O amor e o caminho do meio. E a musica seu corolario! Agradecida por ser veiculo de seu voo.

As oportunidades de cantar que tenho sao, querida mae, os momentos de cuidar de mim.
Que os outros, em que outras gentes tocam e cantam sob meus cuidados, esses sao o meu tributo a esta vida. Nao sei o quanto disso sao provas, expiacoes ou ja possibilidades de regeneracao. Rezo todos os dias, em palavras ou suspiros, para compreender todo o processo. Que tenho oscilado feito barqueta em dia de temporal no alto mar. Rezo cantando, para nao alimentar sofrimentos inuteis, apegos ou desvios energeticos. Rezo e peco para que os guias ajudem a livrar-me, em definitivo, de tudo o que corrobore orgulho e egoismo. Desejo as minhas asas de voar.  Ou vogar. Ou simplesmente encontrar o sentido, o sorriso de Deus. Abencoado momento em que teu filho, a quem amo intensamente, me acolheu, querida mae, para que eu pudesse encontra-la e a amar. 

Um otimo dia a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...