terça-feira, 20 de novembro de 2012

Para onde iremos? Como estamos nao podemos mais estar...


Hoje sai do trabalho
mais Alvaro de Campos do que nunca,
o lirio oriental esmagado entre os dedos.
Procurei o riso de Deus
que estava la, no ocaso,
simpatico e compreensivo como sempre.
Emburrada
feito garotinha mimada
que fico quando contrariada
resmungava qualquer coisa
do tipo o que e que podemos fazer,
como podemos mudar a razao de ser,
que poder temos para mudar
o que quer que seja?
A cabeca, superaquecida,
pedia descanso.
Pedia, alem do sorriso de Deus
tambem seu halito marinho,
seus cantochoes de fim de tarde
a convocar os anjos para balanco diario.
Meu olhar se perdeu varias vezes
no foco da estrada
a velocidade esta mais agil
e nao e hora de por vidas em risco
por conta de minhas manhas.
Afilei meus pensamentos.
Ha algo a lamentar?
Talvez, pela comocao de uma recusa,
algo sentido como indiferenca...
Mas ha tanto, tanto, tanto para saber ainda...
Quase me afogo diante de tanto conhecimento,
tantos apontamentos...
Ja no sossego do lar,
que compus tao direito apesar de tudo,
abri o primeiro livro.
Cerebro.
Entender seu funcionamento.
Buscar certa calma
que me contaram,
vem aos cinquenta
e ainda nao me visitou...
Do jeito que esta nao posso mais estar.
Eu mereco mais.
Mesmo nessa fase umbigo.
E bom poder dizer EU,
apesar de tudo...
Boa noite.


** Rafael significa “Deus cura”. Embora Rafael tenha a tarefa de curar a Terra e seus habitantes, ele atribui esse dom a Deus. A primeira missão desse anjo é purificar as atividades da mente exterior, elevar seu pensamento e eliminar falsas crenças.
Avalie sua situação e seu estilo de vida. O que vem fazendo a si mesmo? Se estiver cansado, descanse. Coma alimentos saudáveis de que seu corpo precisa.
Você tem o poder de mudar! Busque a ajuda necessária para aceitar seus verdadeiros sentimentos. Peça a Rafael que envie seus anjos para guiá-lo com clareza e amor em seu processo de cura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...