quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Inocencia...

Não tenho ido às meninas que me cuidam...
elas cobrem meus fios brancos,
tiram-me fios indesejáveis
que nem lhes conto...
ter cinquenta anos revela-se
embaraçoso...
vestem-me as unhas de ameixa discutível
e saio de lá cheia de laque
e com uma pérola falsa nos lóbulos...
Queria dizer algo
mas nada deve ser dito
esse cotidiano esteve demais para mim...
Fiz o que devia ser feito
esperei de Deus o sorriso
desci a Raposo às dezenove
senti a nicotina amarga
a manchar os meus pulmões...
Em certas horas,rompi com a ética
falei mal da política...
Beijei os joelhos de um homem bom
com os olhos...
fui condenada a ser total...
A avistar o devir longínquo.
Sou total
sou igual a qualquer pobre mortal...
e Camões me visita o leito
e meu piso continua lesado
e uma casa antiga me espera alhures
eu amo
e isso não tem a ver com a cruz cósmica
Cirino
Cirino
Cirino...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...