sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Do meu querido Phil



 

* o Phil, entre a Marina (dir) e Rachel (esq)


21 – DESPEDIDA:
 Crescemos juntos. Palavras com duplo sentido, mas que em nossa aula fazem muito significado. Vários de nós entraram na FAP ainda meninos, alguns mudaram um pouco e com certeza, todos aprenderam demais. Alguns deixaram o cabelo crescer, outros a barba, algumas cortaram o cabelo e outros mudaram de curso.
 Lembro-me do discurso feito pela Mestra em nossa primeira aula quando entramos na FAP, ela dizia que nossa turma parecia ter um “caldo” diferente, e que gostava da mistura de idéias que tínhamos (realmente, éramos uma turma muito diferente). Ela disse uma frase que guardarei para sempre “O risco de fazer um trabalho assim... é que algumas pessoas vão te amar com todas as forças que tem, e vão fazer de tudo para te ajudar e outras vão te odiar com a mesma intensidade”. Era a matéria de Canto Coral e logo na primeira aula eu fiquei atraído com o modelo de aula que nunca tinha presenciado antes. Foi em uma aula dessas que a Diva mostrou seu verdadeiro poder pela primeira vez. Era uma proposta de tentar cantar em grupo e fomos sorteados no mesmo (Diva, Gênio, um colega e eu). Falamos “vamos deixar ela cantar e nós fazemos um back baixinho, afinal ela é cantora”. Foi engraçada a reação de todos (principalmente a nossa). A sala se encheu de um som lindo, ouvi gente dizer que conseguia escutar ate os harmônicos das notas que ela cantava, foi incrível mesmo, a primeira vez que vi uma Diva descendo para o mundo mortal.
 Nossa turma era muito grande na matéria de Canto Solista e ainda assim presenciei performances que não me esquecerei. Eu esperava a semana toda pelas aulas, porque sabia que apareceria uma surpresa. Uma surpresa inesquecível do Gênio foi quando eu o vi cantando Djavan. Pensei “como esse garoto consegue ter uma extensão vocal tão grande?!”. Eram bons tempos...
 No outro ano a turma diminui um pouco e começaram aparecer pessoas novas também. Foi o ano que mais cantei eu acho, tanto em aulas quanto em apresentações.  Fizemos muitas discussões e a sala cheia de espelhos fazia nós olharmos para nossos próprios erros e acertos. Nisso vimos performances maravilhosas, com direito a figurino e tudo. Aprendi com o Herói como ser um artista, mesmo sem ele saber disso, ele realmente possui muitos “fãs” por aí. Acho que observando- o eu comecei a encontrar um caminho para seguir. E lembro como fiquei feliz quando a surpresa da aula foi a minha apresentação com a música cômica dos Seminovos. Todos deram risada e não me senti envergonhado, mas feliz.
Chegamos então ao terceiro ano... A turma diminuiu mais ainda, ficou tão pequena que terminamos em menos de dez pessoas. Mesmo assim, nossas discussões não diminuíram. Nesse ano, voltamos a questões de métodos de canto e a possibilidade de um programa de rádio. Nossas aulas eram menos práticas o que incomodava algumas pessoas, mas no meu ponto de vista aprendemos tanto quanto antes, foi à complementação que faltava. Surpreendi – me com a frase do Pai “sempre tive três sonhos, já realizei dois deles o terceiro farei agora: apresentar um programa de rádio!”. Não esperava isso do meu grande amigo e resolvi fazer meu melhor para ajudá-lo nisso. Faltou-nos tempo talvez, mas acredito que dará tudo certo ano que vem. Nesse tempo todos nós cantamos muito por diversos eventos e mudamos muito também, tivemos crises e pensamos em desistir em pesadelos da noite, mas acredito que todos venceram. Ano que vem teremos novas histórias pra contar e novas paredes de água gelada para atravessar. Gênio, Herói, Diva, Pai, Mestra admiro vocês de verdade e fico muito feliz de ter participado desses momentos em nossas vidas. Então... Continuemos...  

Obrigada pela companhia tao doce, Phil. Escreva sempre que puder. Sera um prazer ouvi-lo. E interessante, voce vem nos dias em que as coisas estao intensamente dolorosas. Vem com seu algodao de cheiro, passa pelo meu nariz e eu retorno da catastrofe melhor, mais lucida, menos lirica, mais disposta a viver o que deve ser vivido. Meu colo e seu! Beijo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...