sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Aquele olhar

Foto: Se eu pudesse criar meu filho novamente, por Diana Loomans

Se eu pudesse criar meu filho novamente,
Usaria o dedo mais para pintar do que para intimidar.
Corrigiria menos e me envolveria mais,
Tiraria os olhos dos ponteiros do relógio e observaria mais com meus próprios olhos.
Eu me importaria menos com saber tudo e saberia me importar mais.
Faria mais caminhadas e daria mais risadas.
Abandonaria tanta seriedade e brincaria de verdade.
Correria mais pelos campos e contaria mais estrelas.
Abraçaria mais e proibiria menos.
Seria menos durona e mais mãezona.
Ampliaria a autoestima primeiro e a casa depois.
Ensinaria menos sobre o amor ao poder
E mais sobre o poder do amor.

Do livro "100 ways to build self-steem and teech values", reproduzido no livro da Elizabeth Pantley "Soluções para disciplina sem choro".

Imagem de Mariana Kalacheva. *facebook - maternal consciente

Ontem olhei por algum tempo dentro dos olhos
de um ser amoravel...
Era eu a me mirar ainda,
era eu a controlar meu amor egoista
para ama-lo todo...
Eu o ouvia,
enquanto navegava nas aguas oculares
da iris clara e profunda,
ouvia-o falar de seu amor filial...
Tive vontade de nina-lo,
de aconchega-lo em meu colo,
como mae que nao fui,
como esposa ninho que quereria ser...
um amor enorme inundou-me
para conter a minha dor
e a dor dele, se possivel fosse...
egoisticamente,
o fogo veio
para me esquentar a alma apertada,
para me acender o corpo tao cansado...
Aquele olhar
das aguas de toda Terra
falava-me da mae
que se prepara para partir...
E eu, a ouvir seu amor philia,
mais que philia talvez...
deixei o meu egoismo a apertar os parafusos em mim,
e meu utero se revolveu
e minhas aguas turvaram
Eros exasperado,
de nao ter sido mae
de nao ter o companheiro
acolhedor
e gentil que sonho.
Eu o olhava nos olhos e pensava:
esse e o homem com quem
teria construido meu ninho,
mas os navios tem cursos distintos...
Nos olhos desse ser de amores
outros sonhos e amores
cintilam intensos
e eu entendo isso.
Os fantasmas familiares
a voejar por nos
alertavam sobre
aprender a amar
sem querer modificar o que e...
Aquele olhar saudavel
maduro
esclarecido
me inspira.
E entao, desejar o seu amor,
que aplacasse e calesse meu Eros,
passa a segundo plano.
Porque ha mais coisas nesta Terra
que nos unem.
Eros que espere,
que talvez as tertulias
de Agape nao tardem
quando eu me for
para o planeta de onde migrei...

Que o tempo que ainda resta se cumpra sem dores. Sabemos o tamanho das dores, que nem toda morfina da conta de aliviar. Que os bons espiritos possam interceder e encaminhar. E o que desejamos. Que assim seja.

Um comentário:

  1. que DEUS ilumine seu ser e que traga a felicidade que merece

    ResponderExcluir

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...