sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A voz de alguem

 
*google images

Se uma pessoa busca Deus, seu Amado o está buscando muito mais... e o desejo por Deus é a preparação para a união com Ele.
São João da Cruz, A chama viva do amor


Anael é o anjo do planeta do amor, Vênus. A proclamação de Anael “abram-se todas as suas portas”, é um convite para o desabrochar das pétalas de todos os seus chacras, permitindo que a energia do Eterno entre em seu corpo. A energia sexual e a espiritual nascem na mesma fonte. Convide Anael para orientá-lo nesse caminho de exploração até que a paixão se torne um elo espiritual poderoso, combinando o amor por si mesmo e o amor por seu parceiro com o amor por Deus.

Entrei em colapso as 15e37 de la tarde.
Um calor desertico, o livro da vez aberto nas paginas finais,
a mocinha confinada em campo de prisioneiros japoneses nos EUA de 1942
o chines do lado de fora da cerca de arame farpado
sob forte tempestade.
A vida, Sr. Amos Oz, obriga a contagem
agora sao dez os anos restantes...
Ha coisas que nao posso escrever.
Sao raiva, sao cisma, sao coisas de resolver fora da prisao,
sao desafios ao ego, a coragem e a dignidade.
De nada me adianta reafirmar:
queria ser homem!
Consegui que um pouco do fel me escorresse,
Queimei meu rosto com lava
E o meu coracao aquietou-se.
Puxei uma estampa tua e a fiquei a mirar,
longa
demoradamente.
Senti-me mariposa
a focar a lampada
ela,
mariposa,
que vai de encontro a algo que nunca tera...
E entao chamei-te, Anael
chamei-te
para que me purifiques
para que eu tenha um sono justo
e possa enfrentar de fronte erguida
os proximos dias.
Posso partir de repente
e entao nao teria chegado
ao estado de paz
dos monges...
De nada adiante reafirmar:
eu queria ser monge
eu queria que nossos caminhos
fossem bons
se juntos...
nao adianta exasperacao...
e por mais que eu deseje
contornar a inevitavel frase
utilizo-me da palavra amor
sem ter como da-lo incondicionalmente.

Entao vou ouvir
a voz de alguem...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...