domingo, 28 de outubro de 2012

Rampas nos Ligeirinhos

*URBS

As novas rampas dos tubos em Curitiba me dizem assim:
voce vai precisar de um enfermeiro
caso decida assumir o "conforto" do cadeirante...
eu que queria um companheiro
e nao para me empurrar a cadeira
nem para dirigir meu carro
e nao para lidas caseiras
ou para as intimidades
trocar
banhar
dar de comer
ler
dar os vinte remedios
entabular conversas
sobre as novelas da Globo...
Meu Deus o que e isso tudo...
Fico imaginando o que e
passar por esse pavor
o da dependencia
aos vinte anos...
Aos vinte anos eu arranjei companhia
da qual fui usufruir uns anos depois,
(foi escandaloso e esquisito,
achei que a vida era aquilo...)
e o entendimento
foi exatamente o descrito acima
sobre o que eu supostamente precisava
estando acompanhada...
esqueci de fazer a lista
por escrito
das coisas essenciais
que justificariam
estar em companhia
(como aconselhou o Pe Manzotti)
e na epoca eu nao tinha
rendimentos para
contratar um enfermeiro...
Nem hoje tampouco...
Acredito que sera danoso seguir com essa prosa,
nascida nesse dia de escolher
o novo prefeito,
no dia em que minhas digitais
nao apareciam na engenhosa
maquininha de conferencia de eleitor...
quando enfim a imagem da digital
do polegar esquerdo me confirmou
eu so conseguia dizer
que bom, eu ainda nao morri...
e bem ruim estar insatisfeito, frustrado,
chateado de todo...
Vou ler entao, recomendo:
"O Ultimo trem para Istambul", de Ayse Kulin.
Que bom, ainda posso fazer isso sozinha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

ensaios

baú patrimônio  imemorial oxidação teus passos meus passos abstinência arco e chifre olhos plácidos camisa alva e p...