domingo, 9 de setembro de 2012

Misty

*google images


Apos sexta e sabado encalhada na barra,
meditando e alucinando,
assistindo pela milesima vez
ao Mediterraneo, de 1991,
entrei domingo embalada por Misty,
trompete de Stan Getz,
uma joia.
Falta, de fato,
um trama em talagarca
e o barulho do mar
e a mirada do mar
e o sal na pele
e o quente do sol
igualmente na pele
para o domingo ser melhor.

Mar nas vassourinhas
da verdadeira
bateria...
saudades disso, por Deus...

Que voltei, neste domingo,
ao idilio de
Yvan Yavanovich,
ao Porto de Ilheus,
como e bonito ler
Jorge Amado...

De quebra,
ouvi Misty no trombone
de Bob Brookmeyer.

Pensando nas sensacoes
que tive nesta vida
que a vida e assim
sensacoes
vir e ir
a deriva
com itinerario
por tempestades
por calamarias...

Ella canta Misty...
o trabalho com escala
e melodia
e texto,
invejavel...

" Look at me, I'm as helpless as a kitten up a tree;
And I feel like I'm clingin' to a cloud,
I can' t understand
I get misty, just holding your hand.
Walk my way,
And a thousand violins begin to play,
Or it may be the sound of your hello,
That music I hear,
I get misty, whenever you're near.
You can say that you're leading me on
And it's just what I want you to do,
Don't you notice how hopelessly I'm lost?
That's why I'm following you.
On my own,
When I wander through this wonderland alone,
Never knowing my right foot from my left
My hat from my glove
I'm too misty, and too much in love.
Too misty,
And too much...
In love.....look at me...."

Aretha,
languida, em 1966,
longas notas sustentadas,
gritadas,
cheia de firulas
que nao podem ser executadas
por cantores em conjuntos
a menos que seja o Take 6...
desdobramentos da frase
que quase escondem
a bela melodia...
Misty...
oh, look at me...

1973, Jhonny Mathis
e seus tremolos
a regiao agudissima da voz
oooooh quase eeeeeh... my own....
contrapondo
a medio-grave
look - at - meeeeeeeee...
o Misty da minha infancia,
o Misty de minha colecao
de vinil,
a mais gasta das faixas...
das sessoes da tarde
classicas,
dos amores de minha mae,
a "margarida, doce guida
que um dia floresceu"...
quando havia
certa esperanca,
ignorancia
eu diria...
de que a vida e boa
e precisa
em seu navegar.

sete anos precisos
determinantes...
meu espirito criou
a forma que carrega hoje...
de mar,
de sal,
de urgencia na pele...

nao para quebrar o encanto
reforca-lo
a pimenta
Estrella Morente
me canta a mi
Salve Gitana Del Sacromonte 

e assim saudo os amores
que tive
que terei
sendo eles provas
tentacoes
impossiveis

onde andara o meu Yvan???????

O amor real que trara
o sal que tenho por dentro?




Nenhum comentário:

Postar um comentário

ensaios

baú patrimônio  imemorial oxidação teus passos meus passos abstinência arco e chifre olhos plácidos camisa alva e p...