domingo, 2 de setembro de 2012

Alguma coisa acontece no meu coracao


*Sampa, talvez do tempo em que morei la, talvez nao, os carros sao da decada de 1940-50, suponho .
Post do facebook.

Eu vivi minha primeira infancia em Sampa.
Nao devia ser vida facil, num apartamentinho
proximo ao Museu do Ipiranga,
do tamanho dessa casinha
onde vivo hoje.
La estavamos meu pai, com vinte e um anos,
minha mae com o mesmo tanto e eu,
fechando meu primeiro ano.
Poucas posses,
poucas oportunidades,
muitos anseios
e ja um tanto de decepcoes.
Provacoes,
para macerar carateres.
Dois anos depois chegou meu irmao.
Eles, meus pais, lidando com a dor de ter uma filha
marcada de poliomielite,
eu fazendo pequenas traquinadas
infantis
como pegar o sabao em po no tanque,
despejar pela varanda
e jogar agua,
e ficar escorregando na espuma...
ou jogar talco no piso de tacos...
ou misturar batom e po de arroz...
Certamente eu tinha forte relacao
com arrastar-me pelos pisos...
picava todas as revistas o cruzeiro existentes
para ficar recoberta pelos recortes...
puxava algumas latas de oleo salada,
das quadradas,
unidas por um barbante
e esse era o ruido que eu fazia,
o meu trem,
que eu fui uma guria quieta,
emmimmesmada,
solitaria
e soturna...
Sao Paulo dos meus sonhos.
E outro pedaco do meu eu profundo,
assim como Lisboa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...