domingo, 19 de agosto de 2012

O consolo de Gibran

Foto: "I have learned silence from the talkative, toleration from the intolerant, and kindness from the unkind; yet, strange, I am ungrateful to those teachers."
--Khalil Gibran *post facebook

A razão e a paixão


Vossa alma é freqüentemente um campo de batalha onde vossa razão e vosso juízo combatem contra vossa paixão e vosso apetite. Pudesse eu ser o pacificador de vossa alma, transformando a discórdia e a rivalidade entre vossos elementos em união e harmonia. Mas como poderei fazê-lo, a menos que vós próprios sejais também pacificadores, mais ainda, enamorados de todos vossos elementos? Vossa razão e vossa paixão são o leme e as velas de vossa alma navegante. Se vossas velas ou vosso leme se quebram, só podereis ficar derivando ou permanecer imóveis no meio do mar. Pois a razão, reinando sozinha, restringe todo impulso; e a paixão, deixada a si, é um fogo que arde até sua própria destruição. Portanto, que vossa alma eleve vossa razão à altura de vossa paixão, para que ela possa cantar; E que dirija vossa paixão a passo com a razão, para que ela possa viver numa ressurreição cotidiana e, tal a fênix, renascer de suas próprias cinzas. Gostaria que tratásseis vosso juízo e vosso apetite como trataríeis dois hóspedes amados em vossa casa. Certamente não honraríeis a um hóspede mais do que ao outro; pois quem procura tratar melhor a um dos dois, perde o amor e a confiança de ambos. Entre colinas, quando vos sentardes à sombra fresca dos álamos brancos, partilhando da paz e da serenidade dos campos e dos prados distantes, então que vosso coração diga em silêncio: “Deus repousa na Razão”. E quando bramir a tempestade, e o vento poderoso sacudir a floresta, e o trovão e o relâmpago proclamarem a majestade do céu, então que vosso coração diga com temor e respeito: “ Deus age na Paixão”. E já que sois um sopro na esfera de Deus e uma folha na floresta de Deus, também devereis descansar na razão e agir na paixão.

Abencoado seja aquele que tem a docura de nos tocar, atraves do seculos com seus escritos. Que bom poder ler tal preciosidade, Khalil. Que bom ter olhos e sensibilidade de ler. Que bom ter imaginacao de ler. Deus age nessas criaturas que escrevem, para que nos cheguem e acalmem suas palavras imantadas, quando tudo lembra caos. Escrevo agora: que nao chove ha dias na cidade banguela, que o ar esta empoeirado e o cheiro dos esgotos passeia em meu espaco de trabalho, em meu refugio de viver. Espero, ao escrever, que a chuva chegue entao, para lavar os microorganismos em evolucao. Enquanto isso, procurarei, no domingo de luz que se pressageia, a ponte que liga razao e paixao em mim. Tornar-me-ei pacificador de mim. Mudar-me-ei para a minha Lisboa interior, que e isso tambem que significa sonhar tanto com ela. Transportar-me-ei para minhas miragens de consolo, para a vida dos Jachmenev. Estarei portanto nos bracos de um livro nos proximos momentos. 
Noite, noite, vem a lua, poe-se o sol, que permaneca a magia da noite dentro de nos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...