sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Luas cheias


*post do facebook

Pan, numa lua dessas
soprou-me:
e preciso aprender a abrir mao de muitas coisas.
Agarrada ao meu cobertor camurca
penso sobre a frase
os instintos tao afilados
tao encarnados em mim

Vem-me a cancao de Simon and Garfunkel

Bookends

Time it was and what a time it was it was,
A time of innocence a time of confidences.
Long ago it must be, I have a photograph
Preserve your memories, they're all that's left you

Vem-me cancao de Egberto

A lua cigana, a danca dos rios
o mel do cacau
e o sol da manha

Vem-me encontro com jovens logo mais
e o coracao vazio de melodias

Vem-me o relogio escorrendo os minutos
vem-me o sol
cheio de dentes
vem-me um afago de akita
e a ideia de abrir mao

abrir mao e liberar energia
e iluminar
e virar sol
e cantar
sorrir

Vem-me teu sorriso largo
A vida e boa




Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...