quarta-feira, 25 de julho de 2012

Um exercicio interessante


Eu sou Liane Guariente. Sou o que sou por mérito e direito. Sou filha de Iansã, protegida de Santo Antonio de Lisboa, que me ampara a voz. Tomo o escudo do Arcanjo Miguel, a doçura do Anjo Daniel, a bravura da leoa, a delicadeza da borboleta, a fluidez dos Avatares, a ira de Hercules, os postulados de Kardec e ao meu comando eu canto. E assim, cantando, sou dínamo de uma vida digna que já dura cinquenta anos. Aprendo a cada dia a consolar e ser consolada.  A acomodar em meu coração almas em regeneração e seres em evolução. Aprendo a dar meu coração e também meu corpo, com segurança e responsabilidade. Sou vigorosa como um carvalho, brava como as correntes de um rio caudaloso, silenciosa como os desertos em suas imensidades. Subo aos vulcões pelo teleférico e toco a lava fria com as mãos. Brilho assim nos palcos.  Atravesso as paisagens de sal do Oceano Atlântico e vou ter na Alfama, onde encontro meu quarto de morar com meu gato. Ali pelas cercanias da Praça do Comercio, abro a sala onde leciono aulas de canto brasileiro. Ando com minhas pernas pelas ruas de Lisboa, pela Avenida da Liberdade, adono-me do Rocio, penetro os camarins do Centro Cultural de Belém, para ali cantar, e tomo o bonde pelas alamedas antigas, a ouvir fado e aprender novas historias para minhas crônicas. Transformo as minhas raivas e insolências em argumentação. Encontro Antonio Novoa, meu orientador do pos doc, parte dos estudos que cumpro na Universidade de Coimbra, falando sobre afeto, vinculo e contato na educação. Faço um curso de fado com Marisa na Cidade do Porto. Assisto a um show antológico com o Madredeus em Trás os Montes e aperto a mão de Teresa Salgueiro, para com ela comungar meu amor português. Todos os fins de tarde eu os passo olhando o Tejo, onde escrevo novas canções. Desbravo os caminhos do Algarves e consigo contatos que me permitem cantar em Barcelona. Faço camaradagem com músicos portugueses e mantenho contato com os do Palácio, e assim tenho trabalho na península. Visito as cidades de Valencia, Madrid. Realizo meu sonho de ver o Arco do Triunfo, o Museu do Louvre, a Catedral de Notre Dame, a Torre. Faço piqueniques a beira do Sena. Conheço a obra de Rimbaud, que aprendo a ler em francês. Sou mais cuidadosa comigo, olho-me de uma maneira terna e acolhedora, mantendo acesos meus desejos de superação. Tomo aulas de canto na Escola de Belas Artes. Sou senhora de meus pensamentos, deixo fluir minha imaginação e já posso oferecer na Praça do Comercio os primeiros exemplares de minhas crônicas cotidianas. Sigo com meu jipe pelas estradas da Europa, curiosa que aprendi a ser, cheia de interesse por lugares e pessoas, pelas obras de arte de cada região. E registro minhas impressões cotidianas em novas figuras de linguagem. Consigo equilibrar meu humor fazendo uso de boa alimentação e exercícios de natação regulares pelas praias do litoral. Conheço o Mediterrâneo e suas ilhas. Vou me tornando conhecida pelas minhas palavras e canções. Domino o inglês, o italiano e o espanhol. Cuido dos animais que partilham minha nova casa, rego meu jardim de rosas e jasmins, teco as toalhas de crochê que adornam minha mesa e minha cama. Adquiro a serenidade e o poder de concentração de ver com a epífise. Há lugar em minha vida para muitos clientes, pacientes, alunos e amigos e eu os posso receber e com eles compartilhar momentos de alegria e bem estar. Sou grata pela vida que tenho, pela esperança sempre renovada de construir pensamentos cada vez mais nobres, em fe raciocinada, tendo a certeza de que tudo continua em franca expansão, rumo a evolução do espirito.  Liane Guariente, em Curitiba, Parana, Brasil, 25 de julho de 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ensaios

baú patrimônio  imemorial oxidação teus passos meus passos abstinência arco e chifre olhos plácidos camisa alva e p...