sábado, 7 de julho de 2012

O olhar e a mao

*foto de ari almeida

sinto, nao me vieram os versos calidos
so lembrancas de sensacoes
eu, que sempre tive medo do envelhecimento das minhas maos
chego ao cinquentenario
e as maos ainda sabem afagar
sabem ter aperto firme
sabem ficar tontas em certas presencas
estao vivas,
dispostas para o trabalho
plenas de fogo e lume
com estas maos eu participo
defendo
danco
e me declaro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

verso bordado

Lá fora a luz do dia, baça. Tu me disseste qualquer desafeto, verso E foste embora sem adjetivo que se interpusesse. Eu, às...