segunda-feira, 14 de maio de 2012

Outra semana

Ha algumas coisas que ficaram acumuladas da semana anterior.

A pressao arterial nao deu conta. Subiu a proporcoes estratosfericas.
Nao fui a uma reuniao, nao darei as aulas individuais
vou no fim da tarde ver os meninos do vocal.

Desencarnar agora seria uma pena, tem muito o que ser feito,
tem muito o que perdoar.

Um amigo antigo, e que mora longe
gritou comigo numa mensagem eletronica.
Gritou mesmo, possesso.
Magoado, como se eu nao me importasse.
Como se eu fosse devedor... pasmei...
Porque me senti, mesmo, culpado...
Seus gritos doeram no mais profundo do meu atomo.
Eu que ando querendo carinho.

Eu ando  mexido, nao muito disposto
a guardar rancor.
Com vontade de experimentar como se resolve a questao
ali, na hora, sem perder a cabeca,
o equilibrio.

Escrevi com delicadeza algumas palavras ao amigo
querendo chama-lo as falas,
a maneira de Alberto Almeida.
Nao pedi perdao, pedi respeito.

E e o que peco a todos nessa semana.
Respeito.
Ao menos respeito deveriamos ter uns pelos outros.
Alguns de nos mal se conhecem.
Nao sei de onde surge o direito de nos apontarem o dedo
ou de lhes devolvermos bile e fogo.
Pior e trazer tal tempero para casa.

Pior ainda e ser atacado dentro de casa santa.
E querer revidar ali.

O inferno esta cheio de pessoas que quiseram ajudar.
Tenho que pensar nisso.

Somos todos de planetas distintos,
faladores de idiomas distintos.
Ja aportamos de tantos navios que e dificil
precisar quanto tempo gastamos
em nosso processo de evolucao.

O afeto e o unico caminho, e a chama do farol.
Nao facamos neblina uns aos outros.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...