sábado, 14 de abril de 2012

A me ri ca

Pensamos muito e sentimos pouco...
assim disse Chaplin em um certo discurso encantador...
assim encerrou Miguel Falabela seu trabalho global
emergencias poeticas...
Nada justifica certas situacoes, criadas por nos, e o que tudo indica...
Custo a acreditar no dito de uma companheira de trabalho:
voce enviou mensagens ao Universo
e Ele atendeu...
Pensamos muito e sentimos pouco...
O pensamento as vezes se torna um bandido...
Hoje fechei os olhos porque meu horizonte
vislumbrou imagens nebulosas...
e assim permaneci
com minha bola de energia nas maos
a lancar energia sobre meus amigos
esses que cantam comigo no grupo vocal...
Pensamos muito e sentimos pouco...
Sonhei para eles, enquanto tentava a limpeza dos arranjos,
doze micofones e a possibilidade de cantarmos belos temas nacionais
arranjados por nos em experiencias
que todos estimem fazer...
Pensamos muito e sentimos pouco...
Quando abria os olhos durante o ensaio...
estava la o turvilhao nebuloso
provavel consequencia de um medicamento para dor ingerido antes de sair...
Pelo menos pude mover minha bola de fogo
e sonhar, alguns acordes soando limpidos
inumeros borroes de som...
Recusei-me a aceitar qualquer realidade diferente de uma harmonia calma
vivida sem oculos
vivida na paz dos sons vocais, das cordas que a minha alma captava...
Pensamos muito, sentimos pouco...
Os pensamentos podem se transformar em bandidos...
Como esta tocando bem o meu amigo.
O Villa-Lobos deve ter ficado feliz...
Sua partita de canto orfeonico viaja o tempo, atravessa o seculo
e perdura em meus olhos fechados
em meus ouvidos de finas palpebras a ouvir o que queria
das nebulosidades da tarde
que enfim choveu...
Ja em minha casa, abro as janelas para a chuva, para os raios
e encontro um par de oculos sobre um livro de anatomia...
e encontro frases ternas...
"Eu só tenho o cotidiano...Ordinário, vivido na poeira insuportável do meu heroísmo de insistir em sobreviver da música e matar um leão por dia ( coitado dos leões ). Mas é a vida comum que me revela a criação da minha música e a presença da alma criadora das coisas naturais ( Deus ). E eu suplico: Dai-me paciência pra ensinar a quem não tem paciência pra aprender e que tem tanta fome de beleza.A arte é generosa e nos mostra o caminho da realidade. Assim diz Adelia Prado ( escritora ): " O verdadeiro artista é o que está centrado na realidade. Aquele que só vive com a cabeça nas nuvens é caso pra psicologia."
Tomada de susto e leveza ainda nebuloso, eu respondo: 
Faco minhas essas palavras... que todos os que de alguma maneira tentaram nos tirar os trilhos na semana que findou possam encontrar seus proprios vagoes, sua propria paixao por algo, por alguem...
Na noite que se descortina, nebuloso silencio,
procuro pensar em mandalas
indumentarias
e belas cancoes...
West Side History
I got rhythm...

* do menino Vicente...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

formosa rosa

                                                                             * do jardim da Thais Formosa Rosa brasileira um ci...