sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Uma senhora especial


Largou tudo e foi escrever poesia:

“Anjos, Arcanjos, vieram de longe onde fui buscá-los na hora da precisão. Vieram em procissão com o canto do que é santo. Anjos, Arcanjos, vieram para a hora da oração. Anjos, Arcanjos, brancos, pálidos, de cálida expressão, trazem a bênção, são luzes, são guias, são guardas, são fontes, de tão sublime devoção. Anjos, Arcanjos, me dizem, me levam, me impelem, me livram, me cobrem com o manto, estancam meu pranto, devolvem-me o canto do que é Santo: - numa santa missão.”
 (R. Agibert)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

novembro musical

Sem alarde O memorial dos olhos quentes da mãe Nenhuma culpa História Os encontros soprosos. Dava gosto! Como tecer um p...